terça-feira, 24 de janeiro de 2012

PARA REFLETIR

História da rã (Que não sabia que estava sendo cozida.)

Da alegoria da Caverna de Platão a Matrix, passando pelas fábulas de La Fontaine, a linguagem simbólica é um meio privilegiado para induzir à reflexão e transmitir algumas idéias.

Olivier Clerc, nesta sua breve história, através da metáfora, põe em evidência as funestas conseqüências da não consciência da mudança que infeta nossa saúde, nossas relações, a evolução social e o ambiente.

Um resumo de vida e sabedoria que cada um poderá plantar no próprio jardim, para desfrutar de seus frutos.


Imagine uma panela cheia de água fria, na qual nada, tranquilamente, uma pequena rã.

Um pequeno fogo é aceso embaixo da panela, e a água se esquenta muito lentamente.

Se a água se esquenta muito lentamente, a rã não se apercebe de nada!

Pouco a pouco, a água fica morna, e a rã, achando isso bastante agradável, continua a nadar. A temperatura da água continua subindo...

Agora, a água está quente mais do que a rã pode apreciar; ela se sente um pouco cansada, mas, não obstante isso, não se amedronta.

Agora, a água está realmente quente, e a rã começa a achar desagradável, mas está muito debilitada; então, suporta e não faz nada.

A temperatura continua a subir, até quando a rã acaba simplesmente cozida e morta.

Se a mesma rã tivesse sido lançada diretamente na água a 50 graus, com um golpe de pernas ela teria pulado imediatamente para fora da panela.


ISTO MOSTRA QUE, QUANDO UMA MUDANÇA ACONTECE DE UM MODO SUFICIENTEMENTE LENTO, ESCAPA À CONSCIÊNCIA E NÃO DESPERTA, NA MAIOR PARTE DOS CASOS, REAÇÃO ALGUMA, OPOSIÇÃO ALGUMA, OU, ALGUMA REVOLTA.

SE NÓS OLHARMOS PARA O QUE TEM ACONTECIDO EM NOSSA SOCIEDADE DESDE HÁ ALGUMAS DÉCADAS, PODEMOS VER QUE NÓS ESTAMOS SOFRENDO UMA LENTA MUDANÇA NO MODO DE VIVER, PARA A QUAL NÓS ESTAMOS NOS ACOSTUMANDO.

UMA QUANTIDADE DE COISAS QUE NOS TERIAM FEITO HORRORIZAR 20, 30 OU 40 ANOS ATRÁS, FORAM POUCO A POUCO BANALIZADAS E, HOJE, APENAS INCOMODAM OU DEIXAM COMPLETAMENTE INDIFERENTE A MAIOR PARTE DAS PESSOAS.

EM NOME DO PROGRESSO, DA CIÊNCIA E DO LUCRO, SÃO EFETUADOS ATAQUES CONTÍNUOS ÀS LIBERDADES INDIVIDUAIS, À DIGNIDADE, À INTEGRIDADE DA NATUREZA, À BELEZA E À ALEGRIA DE VIVER; EFETUADOS LENTAMENTE, MAS INEXORAVELMENTE, COM A CONSTANTE CUMPLICIDADE DAS VÍTIMAS, DESAVISADAS E, AGORA, INCAPAZES DE SE DEFENDEREM.

AS PREVISÕES PARA NOSSO FUTURO, EM VEZ DE DESPERTAR REAÇÕES E MEDIDAS PREVENTIVAS, NÃO FAZEM OUTRA COISA A NÃO SER A DE PREPARAR PSICOLOGICAMENTE AS PESSOAS A ACEITAREM ALGUMAS CONDIÇÕES DE VIDA DECADENTES, ALIÁS, DRAMÁTICAS.

O MARTELAR CONTÍNUO DE INFORMAÇÕES, PELA MÍDIA, SATURA OS CÉREBROS, QUE NÃO PODEM MAIS DISTINGUIR AS COISAS...

QUANDO EU FALEI PELA PRIMEIRA VEZ DESTAS COISAS, ERA PARA UM AMANHÃ. AGORA, É PARA HOJE!

CONSCIENTE, OU COZIDO, PRECISA ESCOLHER!

ENTÃO, SE VOCÊ NÃO ESTÁ, COMO A RÃ, JÁ MEIO COZIDO, DÊ UM SAUDÁVEL GOLPE DE PERNAS, ANTES QUE SEJA TARDE DEMAIS.

NÓS JÁ ESTAMOS MEIO COZIDOS? OU NÃO?


Olivier Clerc, nascido em 1961 na cidade de Genebra, na Suíça, é escritor, editor, tradutor e conselheiro editorial especializado nas áreas de saúde, desenvolvimento pessoal, espiritualidade e relações humanas. É também autor de Médecine, religion et peur (1999) e Tigre et lAraignée: les deux visages de la violence (2004).

sábado, 14 de janeiro de 2012

ASAS DE DEUS

Depois de um incêndio florestal no Parque Nacional de Yellowstone, guardas florestais começaram a sua caminhada até uma montanha para avaliar os danos do inferno e, um deles encontrou um pássaro literalmente petrificado em cinzas,empoleirado na base de uma árvore.

Um pouco enojado com a visão misteriosa, ele derrubou o pássaro com uma vara.

Quando ele bateu nela delicadamente, três filhotes minúsculos correram sob as asas de sua mãe morta.

A mãe amorosa,em plena consciência do desastre iminente, tinha levado seus filhos para a base da árvore e reuniu-os debaixo das asas, instintivamente sabendo que a fumaça tóxica subiria. Ela poderia ter voado para a segurança, mas se recusou a abandonar seus bebês.

Em seguida, o incêndio chegou e o calor tinha queimado seu corpo pequeno, a mãe havia permanecido firme ... porque ela tinha se disposto a morrer, assim que aqueles sob a cobertura de suas asas viveriam.

"Ele te cobrirá com as suas penas, e debaixo das suas asas você encontrará refúgio". (Salmo 91:4)

Minhas instruções foram para enviá-lo para as pessoas que eu queria que Deus abençoasse e eu escolhi vocês.

Tempo não espera por ninguém. Valorize cada momento que você tem.

PARA REFLETIR

Há muito tempo atrás, um casal de idosos que não tinham filhos, morava em uma casinha humilde de madeira, tinham uma vida muito tranqüila, alegre, e ambos se amavam muito.

Eram felizes. Até que um dia... Aconteceu um acidente com a senhora. Ela estava trabalhando em sua casa quando começa a pegar fogo na cozinha e as chamas atingem todo o seu corpo.

O esposo acorda assustado com os gritos e vai a sua procura, quando a vê coberta pelas chamas e imediatamente tenta ajudá-la.

O fogo também atinge seus braços e, mesmo em chamas, consegue apagar o fogo.

Quando chegaram os bombeiros já não havia muito da casa, apenas uma parte, toda destruída.

Levaram rapidamente o casal para o hospital mais próximo, onde foram internados em estado grave. Após algum tempo aquele senhor menos atingido pelo fogo saiu da UTI e foi ao encontro de sua amada.

Ainda em seu leito a senhora toda queimada, pensava em não viver mais, pois estava toda deformada, queimara todo o seu rosto.

Chegando ao quarto de sua senhora, ela foi falando:

-Tudo bem com você meu amor?

-Sim, respondeu ele, pena que o fogo atingiu os meus olhos e não posso mais enxergar, mas fique tranqüila amor que sua beleza está gravada em meu coração para sempre.

Então triste pelo esposo, a senhora pensou consigo mesma:

"Como Deus é bom, vendo tudo o que aconteceu a meu marido, tirou-lhe a visão para que não presencie esta deformação em mim. As chamas queimaram todo o meu rosto e estou parecendo um monstro. E Deus é tão maravilhoso que não deixou ele me ver assim, como um monstro Obrigado Senhor!"

Passado algum tempo e recuperados milagrosamente, voltaram para uma nova casa, onde ela fazia tudo para o seu querido e amado esposo, e o esposo agradecido por tanto amor, afeto e carinho, todos os dias dizia-lhe:

- COMO EU TE AMO. Você é linda demais. Saiba que você é e será sempre, a mulher da minha vida!

E assim viveram mais 20 anos até que a senhora veio a falecer. No dia de seu enterro, quando todos se despediam da bondosa senhora, veio aquele marido com os olhos em lágrimas, sem seus óculos escuros e com sua bengala nas mãos. Chegou perto do caixão, beijou o rosto acariciando sua amada, disse em um tom apaixonante:

- "Como você é linda meu amor, eu te amo muito".

Ouvindo e vendo aquela cena um amigo que esta ao seu lado perguntou se o que tinha acontecido era milagre. Pois parecia que o velhinho parecia enxergar sua amada.

O velhinho olhando nos olhos do amigo, apenas falou com as lágrimas rolando quente em sua face:

- Nunca estive cego, apenas fingia, pois quando vi minha amada esposa toda queimada e deformada, sabia que seria duro para ela continuar vivendo daquela maneira. Foram vinte anos vivendo muito felizes e apaixonados! Foram os 20 anos mais felizes de minha vida.

E emocionou a todos os que ali estavam presentes.

CONCLUSÃO

Na vida temos de provar que amamos! Muitas vezes de uma forma difícil... E, para sermos felizes, temos de fechar os olhos para muitas coisas, mas o importante é que se faça única e intensamente com amor. Sem ele não pode existir um matrimonio e uma família feliz.

1 ANO DE TERÇO DOS HOMENS EM POÇO BRANCO

ORÍGEM DO TERÇO DOS HOMENS

A irrupção de uma nova graça

A mais recente iniciativa divina no Movimento Apostólico de Schoenstatt.

O terço dos homens nasceu de uma semente muito fecunda lançada pelo Diácono JOÃO LUIZ POZZOBON. Foi em 10 de setembro de 1950, quando ele recebeu a imagem da Mãe Rainha para levá-la as famílias, hospitais, escolas aos presídios que esta semente iniciou sua germinação.

JOÃO LUIZ POZZOBON, desejava ser instrumento disponível para levar a Mãe Rainha a toda parte, e a forma concreta de atingir as pessoas, foi a reza do Terço. Com isso de alguma forma ele estava lançando a semente do Terço dos Homens no solo fecundo do movimento de Schoenstatt.

Na época, João Luiz Pozzobon já havia reunido em torno de si um grupo de 100 homens participantes. Foi entre ele que nasceu a idéia de mandar confeccionar algumas imagens da Mãe Rainha e ir com elas às famílias para rezar o Terço. Foi assim que nasceu a Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt. Sabemos como ele ficou sozinho neste grupo de homens. Porém, Seu João perseverou na sua missão porque sabia de sua responsabilidade, iluminado pelo Espírito Santo. Os planos da Providência são insondáveis. Até conseguem confundir as próprias autoridades eclesiásticas. As suas mensagens, mesmo as de maior importância, podem chegar até nós pelos meios mais inverossímeis A Providência Divina aproveitou a iniciativa de um pequeno grupo de homens que rezavam o terço na rua, enquanto suas esposas participavam de reuniões do Movimento de Schoenstatt. Isto acontecia mensalmente, junto à Casa Santuário Mãe Rainha, na Paróquia de Nossa Senhora de Lurdes, na cidade de Maceió.

Durou pouco esta devoção, não conseguindo congregar muitos participantes. Mas a iniciativa não se perdeu, graças à fé e ao olhar perspicaz de uma pernambucana coordenadora da Mãe Rainha. Ela aproveitou esse exemplo e falando com o seu pároco convenceu-o a fazer uma experiência.

E foi sob a orientação do Pe. Américo Vasconcelos, salesiano, e do zelo dessa senhora, Oneida Araújo da Silva que germinou a 05 de Março de 1997, a primeira semente do Terço dos Homens a nível paroquial, em Jaboatão dos Guararapes. Este começo deu-se na capela Nossa Senhora do Livramento, transformada em Santuário Paroquial. Era um grupo de 15 homens, a maioria já falecida.

Mas o passo mais importante veio mais tarde, quando um sacerdote de Schoenstatt, Pe. José Pontes tomou contato com a realidade desta paróquia, onde um grupo de homens rezava o terço. Achou a iniciativa interessante e resolveu experimentá-la no Santuário da Nova Evangelização, em Olinda. Foi aí que o Terço teve a sua grande valorização, integrando-se na fecundidade do Santuário e na força do seu Movimento. Vários anos se passaram para que ele se inculturasse e se organizasse devidamente.

Em Maio de 1998, surge uma decisiva mudança. Por inspiração de Carlos Alves e apoio dos restantes elementos, foi decidido que o Terço passasse a ser semanal em vez de mensal. E é com este ritmo que ele vai explodir para novos horizontes. É justo destacar o nome dos homens pioneiros que com a sua fé persistência, conseguiram implantar o nosso Terço no Santuário: Medeiros, Valmy, Sr. João, Francisco, Nelson, Marcos Filinto e Jairo.

RAZÃO DO NOME “TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA”

No Santuário da Nova Evangelização, o Terço foi iniciado como grupo de oração e por isso ficou conhecido como Grupo de Oração Terço dos Homens, com a sigla (GOTH´S). Assim foi conhecido durante anos.

Em Março de 2007, os responsáveis do nosso Terço, o Coordenador Nacional, Carlos Alves e Pe Miguel Lecastre convidados a tomar parte no Simpósio sobre Mariologia, em Belém do Pará. Tratava-se de preparar a V Conferência do CELAM e da vinda do Papa Bento XVI à Aparecida. Em momento tão abençoado, pudemos os dois apresentar o Terço dos Homens no próprio Simpósio e ter também um tempo de reflexão sobre o seu andamento.

Preocupava-se a sua grande expansão, sem possibilidade dum controle. E também nos parecia faltar algo que não só o diferenciasse como o vinculasse ao Movimento. Os padres de Schoenstatt, Joaquim Alliende e Alexandre Awi, presentes e também participantes no Simpósio, deram-nos uma preciosa ajuda.

Acabamos por concordar que a expressão “Mãe Rainha” era a mais apropriada. Além da sua popularidade era a “palavra chave” que melhor definia e mostrava o vínculo do Terço dos Homens com o movimento de Schoenstatt. E a expressão Grupo de Oração, foi substituída, ficando o nome oficial Terço dos Homens Mãe Rainha.

Os frutos estão surgindo com muita rapidez. E como dizia João Luiz Pozzobon: A Mãe tem pressa e esta pressa é tão grande, que nós humanos, não conseguimos acompanhar.

Fonte: tercodoshomensmaerainhamossoro.blogspot.com


EM POÇO BRANCO

Em Poço Branco, o Terço dos Homens teve seu início na Capela Santa Terezinha no dia 07 de janeiro de 2010.

Todas as sextas feiras, às 19:30h cerca de 90 homens se reúnem para um momento de reflexão do Evangelho, cantos e a oração do Santo Terço.

A comemoração do primeiro aniversário do Terço dos Homens em Poço Branco aconteceu com uma carreata percorrendo alguns distritos do município, como Contador e Acauã, rezando o Santo Terço e finalizando com uma linda e festiva Celebração Eucarística na Capela Santa Terezinha, onde a comunidade se reuniu para louvar o Senhor e pedir as bênçãos sobre este movimento que a cada dia cresce e mostra seus frutos.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

MISSA DE FIM DE ANO

A grande ansiedade por um ano melhor invade os corações humanos e todos se preparam para o novo, o invisível, o desconhecido. Muitos esperam sentados ao redor de uma mesa. Com papos e bebidas esperam o novo ano que está para chegar.

Os votos de um ano de paz, harmonia, felicidade estão na ponta da língua somente esperando o minuto certo para isto. É uma grande maioria da humanidade que assim se porta já não mais valorizando as bênçãos celestes.

Porém, um grande número de fiéis ainda se deslocam para suas igrejas, protestantes ou católica para pedirem ao Pai do céu que abençoe a todos e proporcione luz no ano que se inicia.

A comunidade do Sagrado Coração de Jesus também agiu assim. Todos se reuniram em torno do altar para agradecer a Deus mais um ano que termina e pedir bênçãos e luz neste novo ano que se inicia.

Que Maria, mãe de Deus e da Igreja, Rainha da Paz, interceda por seus filhos junto ao seu Filho Jesus por dias melhores e cheios de paz nos corações.

TAIPU ENCERRA FESTA DA PADROEIRA

Após 10 dias de festejos foi encerrada neste domingo (06), a Festa de Nossa Senhora do Livramento 2015. No último dia houve a alvorada com...